Crianças Emocionais

Crianças Emocionais

com Sem comentários

Como identificar inteligência emocional nas crianças de hoje

O mundo das emoções e dos afectos é sem dúvida um aspecto importante a ter em conta nas crianças de hoje, já que toda a criança é verdadeiramente emotiva e necessita de afectos para poder crescer e desenvolver os seus dons naturais e as suas capacidades em equilíbrio e harmonia. Ela pode nem ter família biológica: pai, mãe, irmãos, primos, etc., mas se tiver alguém que a ame e compreenda os seus sentimentos e emoções, ela poderá vir a ser um adulto equilibrado e feliz.

As crianças e jovens de hoje possuem uma inteligência emocional bastante desenvolvida (embora nem sempre esteja em equilíbrio), pelo que se deveria ter em conta este factor, quando se trata de aprendizagem, porque muitas delas apresentam características muito especificas e peculiares que se destacam:

  • Um potencial de elevada rapidez e velocidade no que toca à inteligência emocional, mais elevado e desenvolvido do que nas capacidades da mente racional. Agem por intuição parecendo demasiado impulsivas, por vezes, mas isto acontece porque dão resposta imediata às suas intuições mais íntimas.
  • Tudo isto é acompanhado de forte intuição acerca de acontecimentos, acrescido de certezas que, por vezes, nem sabem explicar por palavras de onde lhes vem esse conhecimento e juntamente com isso apresentam ainda uma excelente motivação para agir de imediato e aptidão para liderar e pôr em ação as suas ideias.
  • Capacidade de ver primeiro a totalidade e globalidade das coisas e só depois se detém nos pormenores, ao contrário de quem se rege pela mente lógica, que se orienta pelo princípio da causa / efeito. A inteligência emocional tem uma lógica globalizante e holográfica, sendo capaz de, a partir de qualquer parte, abarcar o todo, com rapidez, perspicácia e visão global, porque trazem consigo essa sabedoria de que tudo é uno, tudo está em tudo e pertence ao Todo.
  • A inteligência emocional possui uma lógica profundamente ligada à colaboração e é por isso que normalmente estas crianças rejeitam o ensino autoritário e diretivo preferindo trabalhar em equipa. Não aceitam obrigações, pressões, autoritarismos, coações, pois preferem sentir-se livres e capazes de procurar em conjunto com outros (que podem ser colegas ou educadores) as respostas para as questões.
  • Possuem muita actividade, dinamismo e capacidade interativa – A mente emocional precisa agir de imediato,não gostam que se esteja sempre a adiar tudo, portanto baseia-se no adágio: “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje…” São crianças ativas, enérgicas e gostam de mudanças e movimento constante, porque sabem que nada é estático, tudo está em constante movimento no universo e no mundo em geral, tudo é dinâmico e evolui constantemente.
  • Baseiam toda a sua ação associando as diversas coisas, daí que basta uma pequena sensação, perceção que pode ser visual, auditiva, musical, gustativa, etc. (conforme o, ou os sentidos que a criança tem mais apurados) para de imediato fazerem a conexão e chegarem ao conhecimento necessário para encontrarem a solução.
  • A inteligência emocional possui também um forte domínio e interesse pela arte de viver, compreender, curar, criar e auto curadora ou co-criadora.

Quatro tipos de habilidades da Inteligência Emocional.

A inteligência emocional pode ser vista em diversos patamares de evolução e aperfeiçoamento. O educador deve ter claro e estar consciente das consequências que podem ocorrer de um mau desenvolvimento destas habilidades, pelo que é importante orientar bem a criança e o jovem no que toca a perceber e utilizar corretamente as suas habilidades da inteligência emocional. Alguns autores falam de quatro tipos de habilidades da Inteligência Emocional:

  1. Habilidade para a percepção das emoções que inclui habilidades envolvidas na identificação de sentimentos por estímulos, através da voz ou expressão facial, por exemplo. A pessoa que se sobressai nessa habilidade percebe facilmente a variação e mudança no estado emocional de outra; A utilização simultânea do hemisfério cerebral esquerdo e direito é a única capaz de dar origem ao génio. As crianças e jovens de hoje têm essa habilidade bastante desenvolvida, conseguindo facilmente através do tom de voz, ou expressão facial perceber o estado emocional de outras pessoas e elas próprias também se expressam facilmente dessa forma, porque são muito expressivas;
  2. Habilidade no uso das emoções que implica a capacidade de empregar as informações emocionais (sensações, intuições, etc) para facilitar o pensamento e o raciocínio; mas não podemos esquecer que um génio que apenas utilize a mente pode até se tornar num ser perigoso, por isso é necessário e muito importante uma educação integral e holística na gestão das emoções;
  3. Habilidade no entendimento das emoções que consiste em captar variações e alterações emocionais, nem sempre evidentes, aprendendo a distingui-las e entende-las com a intuição e o coração, o que origina um ser mais compreensivo e humanitário;
  4. Habilidade de controle e transformação das emoções que como o nome indica pressupõe a capacidade de autocontrole para uma mudança de atitude na pessoa, usando o discernimento interior, compaixão para consigo e com o outro e amor incondicional, entendendo que todos têm o direito de errar, até nós próprios, aceitando-o com serenidade e sem revoltas desnecessárias. Só este comportamento é próprio de um sábio.

O facto da criança ou jovem possuir certas habilidades inatas não deixa de ser importante estar atento para os podermos ajudar e orientar para que se tornem pessoas mais humanitárias, com autocontrole nas suas emoções, usando sempre, em primeiro lugar, o coração para agir com sabedoria, em vez de se deixar levar por estados emocionais desequilibrados, egoístas e que dão lugar a frustrações, insucesso e infelicidade.

Apesar das crianças e jovens de hoje nascerem com muitas capacidades, potencialidades e habilidades não significa que não necessitem de orientação e ajuda, bem pelo contrário. Pais, educadores e professores devem ajudá-los a perceber os seus sentimentos e emoções, de forma a aprenderem a agir com inteligência e amor (começando por dar o seu próprio exemplo) e não se deixarem levar pelo egoísmo e pela revolta. É sempre útil uma palavra certa no momento certo, que os ajude a pensar, a reflectir e a escolher o caminho da verdade, da autenticidade e do amor incondicional. Aceitando que estamos neste planeta todos para vivenciar a dualidade e o erro com paciência. Só quando conseguimos entender isto é que podemos passar a um patamar mais evoluído do ser.


Artigo de Tereza Guerra, extraído do seu livro “O meu filho é especial

Sale
Tereza Guerra | O Meu Filho é Especial
O Meu Filho é Especial - Contracapa do livro de Tereza Guerra
O Meu Filho é Especial

Como educar e estimular crianças com capacidades sensoriais invulgares

 17.50  15.75
Adicionar

Subscreva a nossa newsletter